Segunda-feira, 29.12.08

 

Quem descobriu os Açores, afinal?
O historiador Joaquim Fernandes, da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, lançou o romance «O Cavaleiro da Ilha do Corvo», no qual defende, baseado em factos documentados, que a descoberta do arquipélago dos Açores ocorreu muito antes da chegada dos portugueses.

O professor universitário recorda como os navegadores portugueses que chegaram à pequena ilha do Corvo, nos Açores, em meados do século XV, encontraram ali uma intrigante estátua de pedra, representando um cavaleiro com traços característicos do norte de África.

A notícia, normalmente ignorada nos relatos oficiais, tem no entanto uma fonte histórica autorizada: Damião de Góis (1502-1574), o grande humanista português do Renascimento, que descreve, com algum detalhe, no capítulo IX da sua Crónica do Príncipe D. João, escrita em 1567, as circunstâncias em que o inesperado monumento - «antigualha mui notável», como lhe chama - foi achado no noroeste da pequena ilha, a que os mareantes chamavam «Ilha do Marco».

O cronista refere que a descoberta ocorreu no período a que classificou de «nossos dias», ou seja, no seu tempo de vida, provavelmente entre os finais do século XV e os inícios de XVI, no decurso do reinado de D. Manuel I e durante as primeiras tentativas de colonização da ilha do Corvo.

O monumento era «uma estátua de pedra posta sobre uma laje, que era um homem em cima de um cavalo em osso, e o homem vestido de uma capa de bedém, sem barrete, com uma mão na crina do cavalo, e o braço direito estendido, e os dedos da mão encolhidos, salvo o dedo segundo, a que os latinos chamam índex, com que apontava contra o poente.»

Esta imagem, que toda saía maciça da mesma laje, mandou el-rei D. Manuel tirar pelo natural, por um seu criado debuxador, que se chamava Duarte D'armas; e depois que viu o debuxo, mandou um homem engenhoso, natural da cidade do Porto, que andara muito em França e Itália, que fosse a esta ilha, para, com aparelhos que levou, tirar aquela antigualha; o qual quando dela tornou, disse a el-rei que a achara desfeita de uma tormenta, que fizera o Inverno passado, refere o cronista.

Mas a verdade foi que a quebraram por mau azo; e trouxeram pedaços dela, a saber: a cabeça do homem e o braço direito com a mão, e uma perna, e a cabeça do cavalo, e uma mão que estava dobrada, e levantada, e um pedaço de uma perna; o que tudo esteve na guarda-roupa de el-rei alguns dias, mas o que depois se fez destas coisas, ou onde puseram, eu não o pude saber, acrescenta.

A este estranho monumento juntou-se a descoberta, no século XVIII, de um não menos perturbador vaso de cerâmica, achado nas ruínas de uma casa, no litoral da mesma ilha, repleto de moedas de ouro e de prata fenícias, que, segundo numismatas da época e não só, datariam de, aproximadamente, entre os anos 340 e 320 antes de Cristo.

As descobertas fabulosas não se ficaram por aqui: viajantes estrangeiros, no decurso do século XVI, alegaram ter encontrado inscrições supostamente fenícias de Canaã (Palestina), numa gruta da ilha de S. Miguel. Por fim, em 1976, nesta mesma ilha, haveria de ser desenterrado um amuleto com inscrições de uma escrita fenícia tardia, entre os séculos VII e IX da era cristã.

Todas estas perplexidades levaram Joaquim Fernandes a encetar uma longa e exaustiva investigação bibliográfica e documental e a escrever O Cavaleiro da Ilha do Corvo.

No romance, o autor refere um testemunho que reforça de modo evidente o relato de Damião de Góis: um mapa dos irmãos Pizzigani, de 1367, descoberto em Parma, apresenta um desenho com uma figura explícita ostentando uma legenda em latim onde se diz: Estas eram as estátuas diante das colunas de Hércules... Ora esse desenho está colocado à latitude dos Açores, no meio do Atlântico, sugerindo a tradição das Estátuas como marcos-limites do oceano navegável ou conhecido e serviriam para avisar os perigos que corriam os navegadores mais ousados. Mais ainda: a historiografia árabe, do século X, por exemplo, faz referência a essas mesmas estátuas e à sua eventual função de marco dos limites navegáveis, o que credibiliza, por outra via, o testemunho de Damião de Góis. Demasiadas coincidências, pois, para um simples rumor ou lenda...


 

Comentário a Atlântida

 

terça-feira, 16 de Dezembro de 2008, 14:22:37 | Joaquim FernandesIr para o artigo completo

Caro(a)s amigo(a)s,
Para despertar o apetite, como proposta de leitura, permitam-me que vos passe esta sugestão.
Abram “O Cavaleiro da Ilha do Corvo” ( ed. Temas&Debates&Círculo de Leitores, 2008 ) e tomem nota de dados pouco ou nada conhecidos –e outros escamoteados –
sobre as antigas navegações no Atlântico. Ou seja, os descobrimentos pré-Portugueses. Conceito estranho em 500 anos de História pátria.
Camões mandou calar a “musa antiga”. Agora é o momento para navegar “por ( alguns ) mares já antes navegados” .
D. Manuel I despachou os destroços da Estátua para os fundos do armazém que existia no Paço da Ribeira.
E assim se foi tecendo o Império com as malhas da meia-verdade. A nossa parte cumprimo-la bem; mas não apaguemos os méritos dos outros, os nossos “egrégios bisavós”.
Apreciem e divulguem esta provocação. A História é para se ir reescrevendo. Nunca foi um livro fechado.
Cordiais cumprimentos,
Joaquim Fernandes
Universidade Fernando Pessoa

 

Comentário a Atlântida

 

terça-feira, 16 de Dezembro de 2008, 11:27:39 | ALUENAIr para o artigo completo

"APRENDER É RECORDAR" PLATÃO

 

Mostrar todos os itens

 

 


sinto-me Feliz
música Danúbio Azul
As minhas Tags:

publicado por Nhunguè às 15:15 | link do post | comentar | favorito


Template dos Blogs do Sapo remexido pela Treza, e é capaz de ficar mais fixe em Firefox.


posts recentes

Comentários de Joaquim Fe...

As minhas Tags

amor

atlântida

indagação

luz fogo vida

mistério

ousadia

piramide

porquê?

sereno

todas as tags

arquivos
links
subscrever feeds
blogs SAPO